Como Surgiu a Metodologia LIFE

Aproximadamente 40% da economia mundial se baseia em produtos provenientes da natureza ou seus processos ecológicos.

Todas as organizações, independentemente do tamanho ou setor de atuação, impactam de alguma forma o ecossistema, seja pelo uso de matérias primas, água e energia, pela emissão de gases e geração de resíduos, pela área ocupada ou seja pelas mudanças no uso do solo.

Ao mesmo tempo, as organizações também dependem dos serviços fornecidos pela natureza, como o ciclo da água, regulação do clima, fornecimento de matéria prima e a regulação da qualidade do ar, por exemplo.

Devido a esta dupla relação de impacto e dependência, o equilíbrio e manutenção dos ecossistemas e a conservação do capital natural podem representar tanto um risco para os negócios, como uma oportunidade de investir em uma ação estratégica diferenciada. Reverter as altas taxas de destruição da natureza é uma necessidade urgente e deveria ser uma das prioridades em todas as organizações.

O processo de desenvolvimento da metodologia foi iniciado em 2009, quando um grupo de especialistas, técnicos, consultores, gestores empresariais, representantes do governo, da academia e da sociedade civil trabalharam desenvolvimento de um sistema que considerava:

  • A conservação do capital natural como ação voluntária;
  • A necessidade de um desempenho em conservação compatível com os impactos potenciais ao capital natural e à capacidade de investimento, visando fomentar o engajamento dos empreendimentos d e todos os setores da economia;
  • A objetividade através da quantificação de impactos e pontuação das ações de conservação da natureza a partir de critérios técnicos e cientificamente reconhecidos;

Este processo envolveu mais de 50 especialistas e 150 organizações em reuniões públicas, reuniões técnicas e auditorias-piloto, tendo início a partir de uma ampla pesquisa em nível internacional (Benchmarking) sobre as ações já realizadas neste sentido.

Benchmarking

Em 2008, antes mesmo da criação do Instituto LIFE, uma ampla e extensiva pesquisa foi realizada no sentido de garantir a inovação do mecanismo a ser desenvolvido, com foco em ações de conservação da natureza, aplicável a todo o setor empresarial, independentemente de porte ou ramo de atividade das organizações, e ao mesmo tempo diferenciando o desempenho requerido em função das especificidades de cada negócio.

Formação do Grupo de Trabalho

Um dos primeiros passos do desenvolvimento da Metodologia foi a criação de uma equipe multidisciplinar de especialistas, biólogos, matemáticos, engenheiros e gestores ambientais, que, através de um trabalho complexo e integrado, desenvolveram a Metodologia LIFE.

Participação de stakeholders

Para o desenvolvimento da metodologia, foram realizados vários processos de consulta a stakeholders, como: reuniões públicas com ONGs, academia, governos e empresas; reuniões técnicas com diversos especialistas das áreas de gestão ambiental e de conservação da natureza; disponibilização de documentos e informações via website; criação de um Comitê Técnico Científico; e criação de uma Comissão Técnica Permanente.

Avaliação in loco

O teste e o aprimoramento da metodologia para o lançamento de sua Versão 1.0 contou ainda com avaliações in loco realizadas em organizações de distintos portes e setores localizadas em diferentes biomas. Essas avaliações foram realizadas por uma equipe com ampla experiência.